HISTÓRICO DO CÍRIO DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ QUATIPURU – PARÁ

2
169

Em 1845, data que foi construída a Igreja de Nossa Senhora de Nazaré, teve início a uma simples peregrinação com a imagem da Padroeira – Nossa Senhora de Nazaré – por moradores locais.

Com o passar do tempo, a devoção do povo a Maria Santíssima foi crescendo, dando, assim, maior vivacidade a festa.

O padre da época era o monsenhor José Maria do Lago, que vinha de barco da cidade de Capanema para celebrar as missas, fazer os batizados e abençoar os casamentos.

Desde o primeiro momento já existiu a transladação da imagem da santa, saindo da Igreja de São Benedito para a igreja matriz. Nos primeiros anos a divulgação era feita com os cartazes do Círio de Belém, nos quais eram mudados os nomes da cidade e a data, isso de forma artesanal, sendo que a programação da festividade do círio era datilografada em papel comum.

Em 1930, aconteceu o primeiro círio organizado por um senhor chamado Manoel Hilário da Silva. A partir daí a devoção a Nossa Senhora de Nazaré, em Quatipuru, passou a ter um momento celebrativo maior, isso no mês de outubro de cada ano.

O amor por Nossa Senhora de Nazaré a cada ano ia crescendo e os devotos da Virgem Santíssima sentiam a necessidade de homenageá-la, mostrando por meio de gestos o seu amor a Mãe de Deus e nossa Mãe. Foi quando, no ano de 1970, introduziram a primeira romaria fluvial, formada de pequenos barcos que saiam do porto pesqueiro da Taperinha e desembarcavam a imagem no trapiche municipal.

A cada ano que se passava a programação do círio de Nossa Senhora de Nazaré ia ganhando um novo formato. A divulgação passou a ser feita com cartazes e folders, sendo exclusivos para a festividade do Círio de Quatipuru; as propagandas nas rádios das cidades vizinhas anunciavam com antecedência a devoção do povo quatipuruense a Nossa Senhora de Nazaré, elevando cada vez mais a participação de fiéis da comunidade local, cidades vizinhas e inclusive romeiros vindos da capital do estado.

Para a comunidade custear algumas despesas da igreja, nos três últimos dias de programação do círio acontecia a quermesse.

Em 1993, um promesseiro, de nome Antonio Lisboa, veio do Rio de Janeiro e trouxe consigo toda a ornamentação da berlinda e jogos de luz que davam um colorido especial ao nicho. Além do senhor Antonio Lisboa, outros fiéis também contribuíam com a ornamentação da berlinda e do arraial. Neste mesmo ano foi introduzido, na festa do círio de Quatipuru, o Recírio que passou a acontecer no domingo próximo, após o domingo da realização do círio.

Em 1995, a procissão fluvial foi mudada para a comunidade do Macaco com a chegada ao porto do bairro da Pedreira.

No ano de 2000 foi criada a procissão rodoviária, saindo da localidade da Serra Grande para a igreja matriz. No percurso, em Quatipuru, a romaria é acolhida com as ruas decoradas com velas acesas, simbolizando Maria a Mãe do Povo, que traz em seu colo seu filho Jesus, a luz do amor.

Em 2002, surgiram os grupos de Evangelização dos bairros, os quais celebram as novenas preparatórias nas residências. Antes de iniciar as novenas (um mês antes da realização do círio), é celebrada a Santa Missa de Envio, na qual cada coordenador do bairro recebe uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré, que durante os trinta dias que antecedem a procissão do círio percorrem os bairros, preparando os fiéis espiritualmente e anunciando o momento maior da celebração mariana.

No primeiro dia da festividade de Nossa Senhora de Nazaré (na segunda sexta-feira de outubro) acontece o encontro das imagens, as quais saem dos bairros onde foram celebradas as novenas, em direção a Igreja de São Benedito, que em romaria seguem para a Igreja Matriz, na qual é realizada a Missa de Abertura do Círio.

Com o aumento de romeiros na procissão do círio, o senhor José Milton sugeriu a criação dos guardas de Nossa Senhora de Nazaré, com o propósito de uma melhor organização na procissão.

Com o coração ardente de amar a Mãe de Deus e nossa Mãe, em cada ano, no terceiro domingo do mês de outubro, a comunidade católica de Quatipuru, vivencia com renovado amor missionário: O CÍRIO DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ.

2 COMENTÁRIOS

Deixe uma Comentário: